Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Gisele

Cruzeiro do Oeste aprova lei que garante direitos a pessoas com fibromialgia

Publicado em 25/07/2019 às 18:11 por Rosi Rodrigues

A Câmara de Vereadores de Cruzeiro do Oeste aprovou, por unanimidade, lei que assegura o atendimento preferencial a pessoas com fibromialgia em estabelecimentos públicos e privados. Também conhecida como Síndrome da Dor Generalizada, a fibromialgia é caracterizada por dor crônica em vários pontos do corpo, especialmente em tendões e articulações.

A aprovação é representativa e pode referenciar outras iniciativas  do gênero em prol da garantia de direitos dos portadores de fibromialgia. Aparentemente simples, a lei sensibilizará a comunidade para o conhecimento da síndrome, que é invisível, mas que causa sofrimento. Em bancos, lotéricas e supermercados essas pessoas terão prioridade, sem constrangimento.

Para a vereadora Rosy Anne Bertoco, autora da lei, a iniciativa abre importante debate e será de grande relevância para esclarecer a sociedade. “Sou portadora e já sofri bastante. Não é uma dor aparente e a enfermidade desencadeia vários processos”, explica.

Bertoco tem 39 anos e foi diagnosticada aos 33, após consulta com a reumatologista Márcia Arantes, de Umuarama.

Segundo a vereadora, o próximo objetivo é realizar um levantamento sobre a incidência no município.

“De algum modo, os portadores, infelizmente, sofrem preconceito, e um ponto importante da lei é contribuir para diminuir isso”, ressalta.

Fibromialgia

No país existem mais de cinco milhões de pessoas com diagnóstico de fibromialgia, relacionada ao funcionamento do sistema nervoso central e que pode estar associada a outras doenças reumatológicas, o que dificulta o diagnóstico. Embora não seja conhecida a causa específica da doença, níveis de serotonina são mais baixos nos portadores e fatores como desequilíbrios hormonais, tensão e estresse podem estar envolvidos.

Ainda que não tenha cura, os sintomas podem ser controlados com o uso de analgésicos, anti-inflamatórios associados a antidepressivos tricíclicos, atividade física regular, acompanhamento psicológico e emocional, massagens e acupuntura.

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio