Quinta-feira, 23 de setembro de 2021

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - André

Uso de cigarro e álcool aumenta em 30 vezes o risco de câncer de cabeça e pescoço 

Publicado em 02/08/2021 às 15:38 por Editoria Movimento Saúde

Câncer de cavidade oral, laringe e tiroide – juntos eles correspondem a 16% dos cânceres de cabeça e pescoço, doença que acomete cada vez mais pessoas, mas se descobertos em fase inicial são tratáveis e curáveis, possibilitando assim, que o paciente recupere a qualidade de vida. Práticas como uso de álcool e cigarro, aumentam em 30 vezes os riscos de desenvolvimento dos tumores.
Dia 27 de julho é considerado o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço, e em alusão a data o médico cirurgião oncológico Dr. Francisco Guilherme Fernandes (CRM-25678 / RQE 1478 |17618) e a médica oncologista clínica e especialista em oncogenética Dra. Isabella Tavares (CRM 27671 - RQE 18933|20236), falaram sobre o tema e alertaram a população para os sintomas e prevenção. 
De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer) o câncer de laringe e cavidade oral são responsáveis por quase 8% dos tumores da região da cabeça e pescoço, e acometem mais os homens, já o câncer de tireoide representa cerca de 5% das neoplasias, e é mais comum em mulheres. 

FATORES DE RISCO – CAUSAS 
“Quando falamos em tumor de cabeça e pescoço é preciso pensar nas principais causas. A incidência desses tumores – principalmente de cavidade oral e laringe – está diretamente relacionada a exposição de fatores como o tabagismo e o etilismo”, explicou o médico Dr. Francisco. O especialista ressaltou que o uso do álcool aumenta em 10 vezes a chance do desenvolvimento da doença, e que a bebida aliada ao cigarro, amplifica em 30 vezes as chances do aparecimento desses tumores ao longo da vida. 

A exposição ao HPV (Papilomavírus Humano) também é um fator de risco para o surgimento do câncer de laringe e cavidade oral. “É importante ressaltar que o HPV não é transmitido apenas sexualmente, mas por práticas simples como compartilhar talheres por exemplo, e por isso, é extremamente necessário realizar acompanhamento médico. Assim, é possível fornecer as orientações adequadas ao paciente de forma a evitar o surgimento de inúmeras doenças”, ressaltou a Dra. Isabella Tavares. 

Já o câncer de tireoide – mais comuns em mulheres – está diretamente relacionado ao fator genético, se há casos da doença na família, e a tratamentos passados, como radioterapia nessa região. “Nem todo nódulo na tireóide significa um câncer. A maioria dos nódulos são benignos, no entanto, é necessário que o paciente faça seja avaliado por um médico especialista para ter o diagnóstico correto”, alerta a médica. 

DIAGNÓSTICO

Feridas na boca que não cicatrizam, dores para mastigar e engolir, sangramentos, lesões na cavidade oral ou assoalho de boca, rouquidão, surgimento de ínguas, linfomas, são alguns dos sintomas que devem levantar suspeitas. Dr. Francisco indica que “o primeiro passo é o paciente procurar ajuda se suspeitar que há algum tipo de alteração nessa região”.

PREVENÇÃO

Apesar de alguns tumores terem forte influência genética, atitudes simples fazem toda a diferença: evitar exposição ao cigarro e álcool, praticar atividades físicas, ter uma boa alimentação rica em frutas e verduras – oxidantes naturais.  

“Procure assistência de um especialista ao primeiro sintoma, não deixe para depois, consulte seu médico com periodicidade e ele irá esclarecer suas dúvidas, solicitar os exames necessários, chegando ao diagnóstico correto. Isso pode fazer com que o tumor seja descoberto em sua fase inicial, e tenha chance de cura muito maior”, enfatizou o médico.

Foto: Hudson Fernando

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio