Terça-feira, 13 de novembro de 2018

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Fabio de Carvalho
Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Renilde

AMANHÃ A GENTE VÊ...O hábito da procrastinação

Publicado em 21/08/2017 às 20:46
Você costuma deixar para depois os trabalhos da faculdade, os relatórios da empresa, a limpeza do quintal? Costuma marcar consultas médicas só quando a dor é insuportável e te impede de trabalhar? Você até concorda com a necessidade do exame de próstata ou mamografia como medida preventiva, mas...  Amanhã pensa nisso.
Lembra-se do plano de fazer uma poupança para a tão sonhada viagem de férias com a família? Vocês iriam com aquele carro que você namorou na concessionária e tinha feito até test drive! Mas até hoje, nada... Talvez ainda tenha oportunidade de fazer essa viagem, mas não com aquele carro, pois já saiu de linha há algum tempo. Também será difícil levar os filhos, agora que já se casaram e têm a própria família para se preocupar e os próprios sonhos a realizar (ou procrastinar?). Eles também andam sem tempo.
E o que dizer dos planos de praticar exercícios físicos, dizer que ama, pintar a casa, dar menos importância às redes sociais, reconhecer um erro, comer foundue de chocolate, relacionar-se com Deus, tomar medidas econômicas, discutir o relacionamento, aprimorar-se, doar as roupas que não usa, brincar com o filhos, perdoar alguém...
 
Você é escravo do amanhã?
Atire a primeira pedra quem nunca adiou atividades e decisões, sejam triviais ou importantes.
Tendemos a deixar para a última hora as situações complicadas ou incômodas. Isso todos nós fazemos em algum momento, em alguma área da vida.    Essa atitude pode até ser uma boa medida se for uma estratégia para ganhar tempo em ocasiões que dependem de muitos fatores ou que uma decisão precipitada poderia trazer consequências irremediáveis. O agravante é quando essa prática se torna um vício. Então começamos a fazer mil coisas para nos manter ocupados com trivialidades ou tarefas menos importantes que aquela que estamos adiando. Por trás das frases “Não tenho tempo”, “Ainda não é hora”, “Não estou pronto”, podem existir razões e sentimentos que não identificamos claramente ou não sabemos como lidar com eles, mas que evitamos, de forma consciente ou intuitiva, como um mecanismo de proteção.
A procrastinação dá a sensação de alívio imediato, já que durante o período do adiamento não entramos em contato com a situação ou sentimento aversivo, mas, assim como todo vício, a médio e longo prazo os prejuízos são inevitáveis. Quanto maior for o tempo do a e a importância da ocasião evitada, mais desastrosas serão as conseqüências. Alguns desses prejuízos seriam: baixa auto-estima, perda de emprego, divórcio, insegurança pessoal, stress, depressão, sensação de incompetência, insônia, tensões musculares e muitos outros problemas físicos e psicológicos.
Os motivos da procrastinação podem se tornar conseqüências desse ato, gerando um círculo vicioso, especialmente se estiverem associados a sentimentos de medo. Entramos então num processo de escravidão do tempo e do próprio ato de procrastinar, a ponto de perdermos o controle de nossas ações e a visão dos fatos importantes que se perdem nesse processo.
É preciso estar alerta a esse hábito, avaliar as próprias ações e sentimentos, redefinir aquilo que realmente damos valor. Precisamos parar de negligenciar ou deixar para segundo plano o que deveriam ser nossas PRIORIDADES.
 

A psicóloga Viviane Teixeira (CRP 08/10085) é colunista do Site Movimento Saúde

Visite o Blog TransFORMAR e leia mais http://psicotransformar.blogspot.com.br/?m=1

 

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio