Sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - André

A fisioterapia trabalha para tentar preservar a autonomia, utilizando-se de técnicas para fortalecimento muscular, alongamentos, consciência corporal, coordenação motora etc.

Foto: Divulgação

Fisioterapia pode amenizar os danos do Alzheimer

Publicado em 02/02/2021 às 10:21

A doença de Alzheimer, causada por uma degeneração progressiva dos neurônios, é conhecida por sintomas como: perda de memória, dificuldade de orientação no tempo e no espaço, limitação na capacidade de desenvolver pensamentos abstratos ou de aprender novos conceitos, déficits de linguagem e comunicação.

Mas não é só a cognição que sofre com a mais comum das demências. Em homenagem ao Fevereiro Roxo, o mês de conscientização dessa enfermidade, este artigo traz outras possíveis consequências do Alzheimer — e como a fisioterapia pode amenizá-las. Essa doença se apresenta basicamente em quatro fases:

Inicial: caracteriza-se pela perda de memória, confusão e desorientação, ansiedade, agitação, ilusão, desconfiança, alteração de personalidade e do senso crítico. Começam a surgir dificuldades de realizar as atividades de vida diária (tomar banho, cozinhar, telefonar etc.)

Intermediária: os pacientes sofrem para reconhecer familiares, amigos e ambientes conhecidos. Há possibilidade de alucinações, perda de apetite e de peso, incontinência urinária, dificuldades na comunicação, movimentos e falas repetitivas, problemas com sono. A necessidade de apoio para atividades rotineiras aumenta.

Final: aqui, a dependência total já está estabelecida. A imobilidade é crescente, com tendência a assumir a posição de proteção (fetal). Os pacientes tendem a emudecer e ficarem restritos à poltrona ou ao leito, o que favorece úlceras de pressão (escaras).

Terminal: agravamentos dos sintomas da fase final, infecções de repetição, disfagia (necessidade de alimentação enteral).

E onde entra a fisioterapia?

Nas fases inicial e intermediária, a perda de massa muscular e as alterações de postura e coordenação motora geram maior dependência nas atividades de vida diária. A fisioterapia trabalha nesse momento justamente para tentar preservar a autonomia, utilizando-se de técnicas para fortalecimento muscular, alongamentos, consciência corporal, coordenação motora, além de trazer o bem-estar psicológico ao proporcionar uma melhor qualidade de vida.

Com a progressão da doença, o paciente pode ficar restrito ao leito. Aqui, a fisioterapia intervém através de cuidados paliativos de suma importância. O tempo prolongado na cama e a perda de mobilidade são fatores que levam ao surgimento das escaras de pressão. Mas há técnicas para estimular a cicatrização.

Outro problema nessa fase é o alto índice de problemas respiratórios como pneumonia, pneumonia aspirativa etc. Na fisioterapia, as técnicas para higiene brônquica, aumento da capacidade ventilatória e outras são muito benéficas.

Quantas sessões têm que ser feitas?

Não há como prever cada caso. Porém, é comum se aconselhar de duas a três sessões por semana com o fisioterapeuta, além de exercícios diários. Se não há condições financeiras para custear o acompanhamento mais próximo, pode-se contratar um profissional para uma avaliação e evolução a cada três meses. Nesse cenário, o fisioterapeuta vai orientar os familiares e cuidadores sobre quais exercícios fazer e quais cuidados adotar.

É importante entender que cada paciente é único. Reconhecer as limitações fisiológicas da idade e da doença são fundamentais para atingir o resultado adequado. A prevenção ainda é o melhor dos remédios.

Foram comprovados em estudos que hábitos saudáveis afastam o Alzheimer. Pessoas que adotam uma dieta equilibrada, não abusam de álcool (duas doses diárias para homens e uma para mulheres), evitam o cigarro, praticam atividades físicas e mantêm estímulos cognitivos (leitura, escrita, aprendizagem etc.) apresentam uma redução de quase 60% no risco de desenvolver a doença.

E atenção: esquecer onde colocou a carteira ou a chave do carro não quer dizer que você esteja com Alzheimer. A perda de memória pode ser causada por uma infinidade de fatores (medicamentos, depressão, distração, uso de álcool, estresse).

Fonte: Veja Saúde

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio