Sexta-feira, 25 de setembro de 2020

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Gisele
Anúncio - Movimento Saúde

Preconceito e desinformação prejudicam no diagnóstico precoce do câncer de próstata

Foto: Divulgação

Saiba quais são os impactos psicológicos do câncer de próstata

Publicado em 16/11/2018 às 17:26 por Rosi Rodrigues

Muitos homens temem o exame de toque retal por associarem a masculinidade ou a sexualidade. Infelizmente, quase um terço dos pacientes são diagnosticados com o câncer em fase avançada ou com metástase.

A cultura da ‘ultramasculinidade’ também afeta diretamente no tratamento da doença. Em muitos casos, a prostatectomia (cirurgia de retirada da próstata), causa medo devido às sequelas relacionadas às atividades sexuais.

“Vivemos em uma sociedade onde o masculino está muitas vezes associado à capacidade produtiva e geração de recursos financeiros. Ter uma vida limitada em função do câncer pode implicar em uma crise de identidade, gerar sentimentos de baixa autoestima, podendo levar o homem a um sentimento de perda do significado da vida, causando uma ferida profunda e dolorosa em sua masculinidade”, afirma o psicoterapeuta Herbert Guazelli.

A incontinência urinária também ocorre com frequência em homens que foram tratados com cirurgia ou radioterapia. “Esse é outro fator que implica diretamente no psicológico masculino durante o tratamento”, esclarece o especialista. A boa notícia é que em muitos casos essa situação é temporária.

Além disso, a disfunção sexual pode estar relacionada a um quadro depressivo desenvolvido após o aparecimento da doença. E aí, outra barreira da ‘ultramasculinidade’ surge e muitos homens ignoram os sintomas ou demoram a buscar tratamento.

O psicoterapeuta alerta que independente do tipo de câncer, a depressão e a ansiedade têm forte impacto na sexualidade do paciente e na relação do casal. “O cenário pode gerar culpa nos pacientes por acharem que estão privando seus parceiros. É importante a comunicação aberta entre o casal, pois a vida sexual pode voltar a ser satisfatória para ambos”, afirma.

Um fator que pode auxiliar muito é a busca por um tratamento de autoconhecimento e da própria sexualidade. Passar a conhecer e a explorar diversas formas na busca da satisfação. “Lembrando que independente do processo de adoecer o carinho, o sentimento e o desejo pemanecem”, aponta o especialista.

Sobre a depressão

De acordo com o psicoterapeuta, é comum pacientes com câncer desenvolver a depressão, principalmente devido ao medo da morte e a impotência diante do diagnóstico. “A doença causa impactos psicológicos, emocionais e existenciais”, informa.

Herbert Guazelli esclare que diferente de uma tristeza natural (até esperada em pacientes oncológicos), a depressão é um transtorno psiquiátrico que possui sintomas específicos. Entre eles: falta de ânimo e disposição para realizar tarefas, alteração do sono e no apetite, irritabilidade, descuido com o autocuidado, choro fácil e sem motivo aparente, tristeza e isolamento.

“É importante que o paciente ou o cuidador fale a respeito do estado emocional  para a equipe que o acompanha, quanto antes a intervenção diante de quadro depressivo, melhor a retomada da qualidade de vida”, alerta o especialista.

 

Fonte: noticias-R7

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio