Quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Fabio de Carvalho
Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Renilde

Há casos de persistência até a idade adulta levando a quadros extensos com infecções secundárias

Alergia a picadas de insetos pode ser prevenida com imunoterapia

Publicado em 17/08/2017 às 17:38 por Rosi Rodrigues

Além do incômodo e da dor da picada, insetos sugadores ou hematófagos – mosquitos, pernilongos, borrachudos, mutucas e pulgas – pode provocar um tipo de alergia conhecida como Estrófulo ou Urticária Papulosa, que pode ter reações graves.

De acordo com o médico Reinaldo de Souza (CRM-PR 25568), que atende alergia e imunologia, a reação alérgica mais grave, quando ocorre a chamada anafilaxia, tem algumas características especificas, como: surgimento de urticária em várias áreas da pele; queda da pressão arterial; falta de ar, com reações parecidas com crise de asma e também o “edema de glote”; além de dor na barriga e diarréia.

“É uma dermatose frequente que atinge principalmente crianças de meses a cinco anos de idade. Ocorre devido a uma hipersensibilidade do indivíduo a "picadas" de insetos das classes Diptera, Syphonaptera e Ixodida”, explica o médico.

Na maioria dos casos essa hipersensibilidade desaparece entre o 4º e 5º ano de vida. No entanto, há casos de persistência até a idade adulta levando a quadros extensos com infecções secundárias e formação de cicatrizes inestéticas irreversíveis.

“Não existe meios laboratoriais para avaliação da prevenção do estrófulo. A imunoterapia com vacinas de alérgenos salivares está indicada para modificar a história natural da Urticária Papulosa. Estudos duplo-cegos concluem que o tratamento preventivo do estrófulo com imunoterapia sublingual é eficaz”, esclarece o médico.

Como evitar

O odor da pele exerce enorme poder de atração (ou repelência) dos insetos, nos tornando bastante vulneráveis. Algumas medidas simples podem ser tomadas cotidianamente quando a pessoa tem alergia a insetos. São elas:

1. Eliminar depósitos de água parada, onde são depositados ovos de insetos;

2. Usar roupas compridas;

3. Não usar roupas com cores fortes nem perfumes fortes e/ou adocicados (ambos atraem abelhas);

4. Usar telas de proteção nas janelas, cortinados em berços e cama;

5. Tenha sempre próximo repelentes para uso em ambientes e/ou na pele, de acordo com a faixa etária.

Não se automedique

Somente um médico é capaz de diagnosticar, indicar um tratamento adequado, vacinas e remédios que para prevenir ou tratar a alergia a insetos. A consulta com um médico especialista é fundamental para o diagnóstico e tratamento corretos.  

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio