Quinta-feira, 15 de novembro de 2018

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Fabio de Carvalho
Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Renilde

O que é vitiligo e quais seus sintomas e tratamentos

Publicado em 22/04/2018 às 21:07

vitiligo é uma doença autoimune que provoca, como sintoma, manchas brancas na pele. Se nada for feito, as marcas vão crescendo e se espalhando.

Isso ocorre porque os melanócitos, células responsáveis pela produção da melanina (substância que colore a pele), começam a ser atacadas por algum motivo desconhecido pelo sistema de defesa. Sem o pigmento, a cor da pele muda, os pelos do local afetado nascem brancos — e a região fica sensível a queimaduras solares. 

Apesar de não ser transmissível nem abalar diretamente a saúde física do indivíduo, o vitiligo é cercado de estigmas. Não à toa, muitas vezes ele vem acompanhado de autoestima baixa, ansiedade e outras repercussões emocionais que levam à depressão.

Aí que está: esse e outros transtornos psicológicos podem agravar os efeitos do vitiligo na pele.

Sinais e sintomas

– Manchas brancas espalhadas pelo corpo

Fatores de risco

– Histórico familiar
– Exposição a toxinas em excesso
– Estresse
– Lesões importantes, como traumatismo craniano

A prevenção

Não existem maneiras conhecidas de evitar essa doença, mas, por ter um componente hereditário, parentes de indivíduos com ela devem ficar atentos aos seus primeiros sinais. Quanto mais cedo o vitiligo for identificado, maior a chance de ser controlado.

O diagnóstico

O dermatologista detecta as manchas com um exame físico, mas testes complementares, como coleta de sangue e a biópsia de uma região atingida, podem ser solicitados para descartar outros distúrbios autoimunes e medir o nível de melanócitos na derme. Em quem tem a pele naturalmente muito branca, utiliza-se um aparelho chamado de lâmpada de Wood, que localiza as lesões.

O tratamento

Certos medicamentos induzem a produção de melanina nos locais acometidos e tentam controlar o sistema imune para que ele cesse os ataques aos melanócitos. Se as manchas não crescem há mais de um ano, dá pra recorrer a um transplante que retira melanócitos de partes saudáveis da pele e aplica essas células pigmentadoras em outras já esbranquiçadas pelo vitiligo.

A terapia com banhos de luz ou aplicação de laser também ajuda a barrar a morte dos melanócitos e até chega a reativá-los. Em determinadas situações, a enfermidade regride bastante ou até é curada, porém isso depende do organismo do paciente. E, claro, da vontade dele em se submeter ao tratamento.

Além disso, às vezes é preciso fazer acompanhamento psicológico para diminuir o impacto emocional da doença. Outra estratégia é procurar o auxílio de nutricionistas, já que a dieta influencia na reposta do corpo ao tratamento. Esses profissionais costumam prescrever alimentos ricos em vitamina B12, como carnes e ovos, e vitamina C, a exemplo das frutas cítricas.

 

Fonte: saude.com.br

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio