Quarta-feira, 24 de abril de 2019

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Gisele

Hiperglicemia – como reconhecer e tratar

Publicado em 14/02/2018 às 09:33

A hiperglicemia ocorre quando a taxa de glicose (açúcar) está muito alta no sangue, excedendo os níveis normais. Sempre que se ingere um alimento, ele é quebrado em subprodutos que podem ser absorvidos pelo organismo, entre eles a glicose. A insulina é o hormônio que age sobre a glicose para transformá-la em energia e, assim, poder ser utilizada nas funções metabólicas do corpo.

A elevação da taxa de glicose ocorre por conta de uma deficiência na produção ou na ação da insulina no corpo. O acúmulo de glicose no sangue geralmente está associado a quadros de diabetes tipo 1 e 2, mas também pode ser decorrente de quadros crônicos de estresse, alterações hormonais ou da ação de medicamentos de uso contínuo. A hiperglicemia deve ser tratada com seriedade para evitar complicações – problemas ósseos, articulares, cardiovasculares, cataratas, infecções na pele e na gengiva são algumas das consequências a longo prazo.

Um quadro de hiperglicemia pode ser reconhecido por meio de alguns sintomas característicos:

  • Urina excessiva;
  • Sede constante;
  • Dor de cabeça;
  • Visão embaçada;
  • Fadiga constante;
  • Boca e pele secas;
  • Tontura;
  • Perda de peso;
  • Falta de ar;
  • Mudança no hálito.

Se dois ou mais dos sintomas acima citados se repetem com frequência em sua rotina, é importante buscar avaliação médica para averiguar se as taxas de glicose do seu corpo estão dentro do esperado. Nos casos nos quais o quadro de hiperglicemia é confirmado, alguns hábitos podem ser incorporados no estilo de vida para que o açúcar se mantenha em níveis equilibrados no sangue:

  • Para diabéticos: se o quadro de hiperglicemia está associado ao diabetes, recomenda-se que o controle seja constante. Somente o médico especializado poderá sinalizar as alternativas mais indicadas de medicações e, junto com um nutricionista, orientar sobre uma dieta adequada.
  • Para não diabéticos: diante da repetição dos sintomas, a primeira medida é buscar assistência médica. A confirmação de hiperglicemia desassociada do diabetes significa que ocorrem episódios esporádicos de picos de açúcar no sangue. O controle destes episódios pode ser feito por meio de cuidados simples, como:

    Exercícios físicos: a prática regular de exercícios físicos reduz a glicemia, pois durante a prática o corpo utiliza grandes quantidades de glicose como fonte de energia para os músculos;

    Novos hábitos alimentares: a alimentação está diretamente associada ao excesso de açúcar no sangue. Recomenda-se que a pessoa com hiperglicemia dê atenção ao consumo adequado de proteínas e fibras, que são digeridos mais lentamente e geram menor impacto na taxa de glicose. Verduras e legumes com baixo teor de amido e frutas de baixo índice glicêmico devem estar sempre presentes na rotina alimentar;

    Controle do peso: é importante manter o peso adequado à estatura para que os níveis de glicose se mantenham equilibrados. Também é essencial realizar monitoramento frequente dos níveis de colesterol e triglicérides;

    Parar de fumar: estudos realizados na Harvard School of Public Health demonstraram que tabagistas são até 50% mais propensos à hiperglicemia do que não fumantes.

Fonte: Agemed.com.br 

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio