Quinta-feira, 15 de novembro de 2018

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Fabio de Carvalho
Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Renilde

TPM e TDPM: entenda as diferenças

Publicado em 25/01/2018 às 09:08 por Rosi Rodrigues

TPM, a famosa tensão pré-menstrual, assombra a vida de muitas mulheres. Mas por que algumas mulheres têm a TPM mais atacada que as outras? Estudos revelam que elas têm uma letra a mais neste período – a D! Nesta quarta (24), o Bem Estar explicou as diferenças entre a TPM e TDPM (transtorno disfórico pré-menstrual). Para falar sobre o assunto, convidamos os psiquiatras Carmita Abdo e Daniel Barros.

A semelhança entre TPM e TDPM é que acontecem e terminam no mesmo período. A diferença é a intensidade dos sintomas e a natureza mais psíquica dos sintomas de TDPM e mais físicas na TPM. No TDPM os sintomas são intensos e afetam os relacionamentos.

Diagnosticar TDPM não é fácil. Há muitos critérios para avaliar e não há exames laboratoriais para isso. O diagnóstico é feito através de uma anamnese onde a paciente relata seus sintomas mais importantes. Eles devem estar presentes durante a maioria dos ciclos menstruais no último ano e devem ser severos ao ponto de impactar negativamente na vida da paciente.

 

TPM

  • Apresenta sintomas que se manifestam dias antes da menstruação
  • Alguns deles: cólicas, inchaço, dores de cabeça, nas mamas, fome em excesso, acne, vontade de chorar, insônia, ansiedade
  • Os sintomas incomodam, mas não incapacitam. Desaparecem no início do fluxo
  • A principal causa é a alteração hormonal
  • É possível amenizar com atividade física, alimentação e redução de sal

 

TDPM

  • Afeta de 3% a 8% das mulheres
  • Sintomas são muito severos a ponto de deixar a paciente incapacidade para exercer atividade, seja doméstica ou profissional
  • Alguns sintomas: depressão, melancolia, irritabilidade, desânimo, descontrole emocional, choro, ira, distúrbio de apetite e insônia
  • Eles cessam no início do fluxo menstrual
  • No tratamento, a disciplina é fundamental. Tomar a medicação de forma correta garante melhora dos sintomas e estabilidade do humor
  • Exercícios físicos diários são recomendados, além de alimentação saudável e equilibrada. Consulte também um médico

 

Fonte: G1

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio