Segunda-feira, 19 de agosto de 2019

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Gisele

Um em cada dez pais também apresenta depressão pós-parto e, assim como no caso das mulheres, ela tem muito mais chances de se manifestar no primeiro ano de vida do bebê.

Foto: Divulgação

Homens também podem sofrer com a depressão pós-parto

Publicado em 02/01/2019 às 11:56 por Rosi Rodrigues

A depressão pós-parto não é algo que afeta somente as novas mamães. Um em cada dez pais também apresenta depressão pós-parto e, assim como no caso das mulheres, ela tem muito mais chances de se manifestar no primeiro ano de vida do bebê.

Os homens estão mais propensos a apresentar os sintomas quando o bebê tem entre três e seis meses. A própria idade também conta: ser pai antes dos 30 anos aumenta os riscos. 

Acabei de ser pai. Como saber se tenho depressão pós-parto?

Os sintomas variam de homem para homem, mas tenha em mente que, se sua parceira estiver deprimida, você ficará mais propenso a estar também.

A depressão dela causará períodos de pressão no relacionamento de vocês. Alguns homens contam que ficam com a sensação de que tudo o que fazem parece ruim e que as mães não entendem nada do que eles querem dizer. Têm também a sensação de que ninguém liga para eles.

Diante disso, é normal ficar com a autoestima prejudicada e se sentir cada vez mais impotente com a situação, principalmente no caso de pais de primeira viagem. A depressão é acompanhada de desânimo na maior parte do tempo. Também é comum perder o prazer com as coisas que antes amava, como o papo com os amigos ou o futebol do fim de semana. A tendência é às vezes ter vontade de sumir.

Veja a seguir alguns outros sintomas comuns da depressão pós-parto masculina:

Falta de vontede de se socializar

Mudanças no apetite (geralmente falta)

Dores sem motivo aparente

Ansiedade e preocupação

Queda no desempenho profissional

Falta de interesse em sexo

Exaustão

Insônia


Se você tiver um desses sintomas, tente lembrar desde quando começou. Todo mundo tem um dia ou outro daqueles que dá vontade de mandar tudo para o espaço. Por outro lado, se essa sensação não passar e perdurar por mais de duas semanas, é possível que você tenha depressão pós-parto, algo diferente da melancolia pós-parto masculina. 

A melancolia, algo bastante comum em mulheres que acabaram de ter bebê, é marcada por uma ansiedade com o novo papel de pai/de mãe e um receio com o que o futuro trará. A diferença é que, com o passar das semanas, ela tende a melhorar.

O que causa a depressão pós-parto?

Ainda não há conclusões exatas sobre o que causa a depressão pós-parto masculina. Ela pode estar ligada a histórico de depressão na família, receio com as novas responsabilidades, preocupações financeiras, estresse no trabalho, desgaste com a parceira. 

Quando se acrescenta a esses ingredientes as mudanças de vida com o nascimento de uma criança, é compreensível que muitos homens sintam um grande baque. 

Os especialistas listaram alguns outros motivos que podem contribuir para o quadro:

Sentir-se muito ansioso ou deprimido durante a gravidez

Ter um bebê que apresente grande dificuldade para dormir

Ter um bebê chora o tempo todo

Ser pai de gêmeos

Como posso me ajudar?

Em primeiro lugar, é bom saber como a depressão pode afetar os seus sentimentos enquanto pai. Um dos sintomas pode ser uma sensação de desinteresse pelas coisas cotidianas. Você também pode se sentir distante de seu bebê, o que obviamente dificultará muito a sua atuação nas tarefas ligadas às necessidades dele. É possível também que tenha menor capacidade de se comunicar com seu filho quando ele tentar estabelecer um elo. Resumindo: você estará preso dentro de si mesmo.

A questão é que a paternidade exige que algumas coisas sejam enfrentadas, pelo bem do lado mais fraco da relação, o do bebê. Você, deprimido ou não, continua sendo fundamental para ele, portanto precisa mesmo se ajudar. 

Procure se manter ativo e com boa alimentação, por mais que não tenha vontade de esvaziar o prato. Atitudes mínimas como estas lhe farão bem sem grande esforço.

Tente passear a pé e levar o bebê junto, seja no carrinho ou no canguru. Além de aliviar para a mamãe, você vai se exercitar e fortalecer o relacionamento com o seu filho. Esse tipo de estratégia pró-ativa de enfrentar a depressão funciona bem mais para você e sua família do que passar 12 horas por dia imerso no trabalho e acabar o expediente com um copo de bebida nas mãos.

É provável que as saídas também levem você a conhecer outros papais. Troque ideias com gente que pode ter problemas como os seus, além de soluções, claro. Você vai perceber que não está sozinho e que não é o único pai deprimido. 

Atividades criativas, como a escrita e a pintura, são ótimas para que você coloque os sentimentos para fora. A pior coisa, nessas horas, é manter toda a carga emocional dentro de um corpo que não está no seu melhor momento para absorvê-la.

Dormir bem é um desafio para pais de bebês pequenos e pode acabar afetando o relacionamento de qualquer casal. A privação do sono pode também aumentar o risco de depressão. Nesse ponto, o único consolo é saber que essa fase passa. Com seis meses, o bebê provavelmente dormirá por mais horas seguidas durante a madrugada, e talvez até a noite toda. Com paciência, vocês chegam lá.

Depressão pós-parto em homens tem tratamento?

Uma vez que você tenha feito de tudo para se ajudar por conta própria e sinta que não deu certo, procure ajuda médica. Um clínico geral pode pedir exames para descartar ou confirmar causas físicas para o seu desânimo, como, por exemplo, problemas de tireoide.

Se o médico confirmar que seu quadro físico está normal, há uma série de tratamentos mais específicos para a depressão, como terapia ou uso de medicamentos antidepressivos. Nestes casos, o acompanhamento é feito por psicólogo ou psiquiatra. Nunca tome remédios sem recomendação específica para você.

Como minha mulher, amigos e família podem me ajudar?

Geralmente é difícil admitir para si mesmo o que está sentindo, e mais ainda para terceiros. Mas os sintomas aparecem, e não apenas para você. Pode ser que sua mulher e amigos já estejam preocupados e buscando uma forma de lhe perguntar sobre uma possível depressão.

Daí que vale a dica que se repetiu ao longo deste artigo: não absorva tudo sozinho. No início é mesmo estranho se abrir e falar de sentimentos e angústias, porém, acredite, você vai sentir alívio enorme só de ser sincero com quem você ama e confia.

Procure ajuda profissional!! 

Fonte: Baby Center Brasil

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio