Quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

(44) 2031-0399

(44) 9 9907-2342

Anúncio - Fabio de Carvalho
Anúncio - Dr Ronaldo
Anúncio - Renilde

Foto: Divulgação

Baixo índice de vacinação contra a gripe entre as crianças preocupa Regional de Saúde

Publicado em 23/05/2018 às 16:46 por Rosi Rodrigues

O Ministério da Saúde disponibilizou 75 mil doses da vacina contra a influenza (Gripe) para Umuarama e os outros 20 municípios que fazem parte da 12ª Regional de Saúde. Há poucos dias do prazo final da Campanha Nacional de Vacinação, 1º de junho, a meta estabelecida, que é vacinar pelo menos 90% do total de pessoas que integram o grupo prioritário, está longe de ser alcançada. As crianças estão no grupo que menos aderiu à vacinação.

No ano passado foram aplicadas apenas 73% das doses ofertadas, de acordo com dados apresentados pela Divisão de Vigilância em Saúde da 12ª Regional de Saúde ao Movimento Saúde. O grupo prioritário com mais baixo índice de vacinação é o das crianças, com apenas 58% da cobertura. O público mais efetivo é o dos idosos, com 80% da meta cumprida.

Têm direito à vacina gratuita: idosos com 60 anos ou mais; gestantes em qualquer período; crianças de seis meses até 4 anos, 11 meses e 29 dias; mulheres que tiveram bebês até 45 dias; trabalhadores da área de saúde; professores; presos e funcionários do sistema prisional”. Pessoas com idades entre 5 e 59 anos com doenças crônicas, que fazem parte da lista do Ministério da Saúde também têm direito à vacina, desde que apresentem atestado médico.

Entre as gestantes, o índice é de 62%, seguido pelos professores, com 72% da meta cumprida. Entre os trabalhadores de saúde, o índice também é abaixo da meta, com apenas 68% de cobertura vacinal.

Umuarama é o município com maior dificuldade de cumprir a meta. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, até agora foram vacinados 65,22% do público total estimado e nenhum dos grupos prioritários atingiu a meta. Restam ainda cerca de 6 mil vacinas para serem aplicadas. Na cidade polo da região, a situação das crianças é ainda mais crítica, com apenas 43,25% das doses aplicadas.

Alguns municípios já cumpriram a meta em praticamente todos os grupos prioritários. Destaque para Douradina, Alto Paraíso e Esperança Nova.

“Em todos os municípios as equipes estão empenhadas em aumentar a cobertura vacinal. Uma das estratégias é a vacinação em domicílio. Todos os esforços estão sendo empreendidos nesta reta final para superarmos o índice do ano passado e chegar mais perto da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde”, destacou Aletheia Patrícia Busch, chefe da Divisão de Vigilância em Saúde.

Vacinar as crianças é obrigatório

O Brasil possui um sofisticado aparato legal para defender o direito e o bem-estar das crianças. O Programa Nacional de Imunizações (Lei 6.259/75), amparado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente -ECA (Lei nº 8.069/1990), em seu art. 14, parágrafo primeiro dispõe que: “É obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias”.

O artigo 249 do Estatuto da Criança e do Adolescente, prevê ainda que os pais que descumprirem, dolosa ou culposamente os deveres do poder familiar pagará multa de três a vinte salários mínimos de referência, aplicando-se o dobro em caso de reincidência.

Para a enfermeira do setor de imunização da 12ª Regional, Sueli Schneider, é muito importante falar a respeito da obrigatoriedade da vacina e da responsabilidade dos pais em optar por não vacinarem seus filhos.

“A gripe é uma doença grave que pode causar a morte. Quem está nos grupos preconizados pelo Ministério da Saúde não pode deixar de se vacinar”, destaca a enfermeira.

Até agora foram registrados 10 óbitos por influenza no Paraná. Umuarama tem um caso confirmado de H3N2 confirmado, mas sem óbitos.

“O vírus está circulando em toda a região e a proteção mais eficaz contra os efeitos mortais da doença é a vacinação”, conclui.

Anúncio - Dra Marlene
Anúncio - Dr Antonio